Social Icons

facebooktwitterrss feedemail

Pages

1 de setembro de 2011

Recomeços


Tentando mais uma vez, não do zero mas com a cabeça mais leve... se hoje eu fizesse um novo blog seria algo do tipo:
www.agoratemqueircaralioeuvoubotarprafudercomtodorespeitoéclaromaseuvouporra.com....

24 de maio de 2011

Cadê Meu Caderno?


Depois de quatro meses eu voltei a desenhar! Se não me engano já devo ter comentado aqui que não sou uma pessoa constante; se já disse perdoem meu lapso, caso não falo agora: Não consigo ser frequente em nada, nem ser constante em nada, o que faz a minha consciência gritar todos os dias comigo para eu ter tal capacidade.
Todos os dias entramos em certo atrito, lembram dos desenhos animados que um anjinho e um diabinho tentam convencer o personagem no meio a fazer algo? Então, isso acontece comigo, mas são "Eus" às vezes querendo fazer tudo de uma vez, às vezes querendo chutar o balde e largar tudo de uma vez.

Parece não ter nada a ver mas nesse ponto entra o desenho na minha vida, desde sempre me faz bem desenhar. Um dos primeiros que me lembro agora foi da primeira série na escola e só lembro porque ficou guardado e vi depois. O tema era algo do tipo - O que você gosta de fazer? Eu me fiz deitado em uma cama escrito em letras de mão, dormir. Acho que não mudou tanto...
Voltando ao assunto, eu gostava, pintava, gosto de lápis e caneta preta. Mais velho eu lia e copiava quadrinhos, parava um pouco, jogava bola voltava mas nunca parei de rabiscar.

Sempre estivémos juntos, eu o lápis e o caderno, sempre me faz falta quando não estamos juntos. A merda de desenhar é que você se obriga à... e nunca esquece de que sempre tem que fazer, é quase como um casamento e aquele papo de na alegria e na tristeza e blá blá blá, você gosta e assume um compromisso, aí tenta melhorar o bagulho! Nunca fui casado mas imagino que seja mais ou menos assim, espero que você casado(a) esteja tentando melhorar o seu bagulho...

Não que eu desenhando vá mudar nada no mundo ou fazer alguma diferença, sei do meu nível. Admiro os que conseguiram e que conseguem passar a sua idéia dessa maneira. Eu nunca conversei com um ídolo meu desse meio mas creio eu (e preciso crer!) que quando eles em algum momento da vida olharam para trás viram seus passos e quanto aprenderam com isso e tudo ao redor que querendo ou não está envolvido. Papo estranho parece música do Roberto Carlos. É uma briga sempre que você pega um papel novo, sempre quer melhorar, às vezes dá tudo errado, às vezes não consegue, às vezes joga o caderno inteiro fora. Por que pegar um papel novo então né?

Sincero sei lá...
Existem estudos didáticos e filosóficos, psicológicos e sociológicos desde os desenhos nas cavernas, Egito, Oriente, Grécia, Mimêsis e Platão... outros que me indentifico mais, expressionismo alemão, Munch, van Gogh, Gestalt, xilogravura, metafisíca, Schiller, Klimt, Mucha, Chagall, Walter Benjamin. Paris em XIX, a acadêmia e Ingres, a boêmia e Modigliani... Mas e para entender o porque? Lá no fundo saca?

Hoje faço parte do proletariado em um país de primeiro mundo e preciso sempre tentar simplificar tudo o que me envolve, mas me complico mesmo não querendo... aí desenho. Uma das qualidades(?) que nunca li sobre é a teimosia, e para medir isso? Alguns a chamam de determinação. Tenho certeza que todos que admiro são ou foram determinados no que fazem e fizeram. E tenho a impressão que vou levar uma vida inteira para largar a mão de ser teimoso e quem sabe um dia ser determinado...

21 de abril de 2011

Ausência


Peço desculpas porque ando um tanto ausente por aqui quando a intenção era postar uma vez por semana. Comecei uns dois textos nessas duas semanas passadas mas não terminei. Minha vida aqui no Japão anda um tanto turbulenta mas a culpa (Como diria o pai do meu amigo Kakazu: - Se você quiser você arranja desculpas para tudo...).

Eu comprei um Playstation 3 e conectei ele na internet...
Dead Rising 2 motherfuckers from hell!.

1 de março de 2011

The Office


Na minha opnião é a melhor série de comédia desde Seinfeld (1989~1998), esse é um dos seriados que espero a semana inteira para ver um episódio. Nesse meio tempo tem o Two and a Half Man que gosto por causa de como o Charlie leva a vida mas teclando a diferença seria entre rs e kkkkkkk. O The Office me faz dar risadas, talvez porque seja um sitcom com pessoas estranhas e esquisitas..."normais".
Um Friends fica muito fora da minha realidade, por mais que eu quisesse conviver com Monicas ou Rachels só topo no meu caminho com Michaels, Elaines e principalmentes Georges que é o que mais me encaixo, sou um George da vida...

Acho que é nesse ponto que tanto me identifico com a série, todos os personagens são aquelas pessoas que encontramos às sete e meia da manhã com a cara de: Pots... mais um dia de trabalho... e funciona como um espelho estou com a mesma feição. 
Não consigo ficar sem rir quando eles fazem graça com essa nossa vidinha mediana porque nem todos nós ganhamos o American Idol ou aparecemos em um Big Brother. 
Para alguns é bom para outros não, pudera eu dormir até às onze da manhã mas amanhã acordo de novo exatamente às seis e meia da manhã.
Então porque não tiramos um sarro da nossa rotina?

O The Office vem do original inglês feito pelo Ricky Gervais, que como diriam as pessoas é o cara! Gosto do senso de humor dele, assisti também o Extras e o The Ricky Gervais Show que a HBO animou vindo do seu podcast que inclusive entrou até para o Guiness Book sendo em um período o mais baixado na internet. Ouvindo as conversas entre ele o Stephen Merchant e principalmente o Karl Pilkington não tem como não deixar seu dia mais feliz, sou fanzão também dos seus filmes que se encaixam em comédias dramáticas. Dois que indico: Ghost Town (2008) trailer e o The Invention of Lying (2009) trailer.

14 de fevereiro de 2011

Zé Ruela na Cozinha

Eu estou tentando aprender a cozinhar...

Mas de verdade, tacar óleo na frigideira e fritar coisas não é bem o que se pode chamar de uma cozinha refinada, não que eu tenha a pretensão de virar um Alex Atala, a Palmeirinha (Puts! Ela é tão simpática ensinando...) ou o rato no Ratattouile (2007). Também não ligo em ter uma alimentação saudável sem colesterol, sem gordura e entupimento no encanamento. Não sou uma pessoa que se encaixa na geração saúde, bebo, fumo e como o que gosto. Mas todos os dias fritar qualquer coisa na hora da fome é duro...

Talvez eu esteja ficando velho e cada vez mais xarope, não fresco, talvez mais exigente... xarope! Não consigo desde faz tempo comer Cup Lámen e só como nos Circle - K's da vida quando é realmente necessário. Anos atrás quando apertava a fome eu comia qualquer coisa na loja de conveniência mas nessa época eu conseguia sobreviver só de cerveja... não tem gente que diz que sobrevive só da luz do sol? Hoje preciso comer direito todos os dias ou não aguento o tranco no serviço. Então por que não comer bem?

Todos os dias chego mais cedo que todos que moram comigo e é legal deixar o rango pronto, então já virou meio que uma rotina mas das boas, chego, tomo banho, abro uma cerveja, ligo minha playlist na cozinha (Eu instalei caixas de som na cozinha) e começo a pilotar o fogão. A melhor parte é essa, quando estou pensando no que vou fazer, parece que posso fazer qualquer coisa afinal tenho um pc e o Google!
Mas para falar a verdade isso não é o bastante, tem que ter o sentido que na minha opnião dos cinco é o que menos usei até hoje, o paladar. Menos usei não, usei em um patamar bem inferior, o que já comi de tranqueira industrializada em pacote, dos cinco são meus dois sentidos mais baixos; o paladar e o olfato, preciso aguçar os dois porque afinal andam sempre juntos... Que sexto pô?

Percebo que não sou bom porque minhas comidas não tem trecos verdes. Se você não sabe para que servem os trecos verdes então você está no mesmo nível que eu, você é ruim. Existem pequenas coisas que posso citar agora em que você diferencia uma pessoa com a mão boa e uma igual eu com a mão dura. Tem diferença entre alho em pasta ou com os dentes amassados, salsinha para que serve? Cuminho? Fazer assados? Como que usa o forno? Óleo ou azeite? Todas às vezes seu arroz sai diferente e você não tem idéia do porque?  Porque a galera põe uma folha seca no feijão? Como minha mãe conseguia cozinhar e no final não ter uns cinco pratos, duas tigelas, uma panela e uma frigideira todas sujas. E para ariar aquela panela que você deixou no fogo baixo e começou a mexer no Youtube? Você fica furando de três em três minutos a batata para ver se está cozida? Não sabe cozinhar com a panela tampada e tem medo de usar a panela de pressão? Você faz macarronada e ainda faz todo mundo comer porque acha que é bom? Então estamos no mesmo nível... somos Zés Ruelas na cozinha.

Mesmo sendo um Zé Ruela posso dar um conselho culinário, anota aí:
Quando nós pegarmos aquela receita no site da Ana Maria Braga, ver depois de pronto e ter pensamentos do tipo: Tá certo isso aqui mesmo? Acho que dá para comer. Só faltou sal, eu sou foda só ficou um pouco diferente da foto...

Paga um Sukiyá, pede uma pizza! Ninguém precisa comer nossa gororoba...

1 de fevereiro de 2011

Eu Demolo!


O que você faz? Já te perguntaram isso? Como vocês respondem? Não é uma pergunta tão simples quanto parece... se eu tivesse uma clínica e diagnosticasse doenças a resposta seria médico, mesmo assim talvez não esteja tão certa a resposta, ou a pergunta talvez devesse ser reformulada e então seria como você ganha dinheiro?
Eu sempre fico em dúvida para responder essa questão, eu podia responder de uma forma mais polida por exemplo: Trabalhei na montagem de auto-peças, fui bar tender e esses nomes mais bonitos, o que realmente é dar uma enfeitada na coisa, na verdade eu já fui:

Peão de fábrica...de todos o pior, Tempos Modernos (1936). Entregador de marmita... esse foi nas horas vagas, eu entregava e pronto. Pizzaiolo... foi um dos que mais durou, eu trabalhava terminando a semana para frente e gostava, trabalhar na noite só tem um porém... você trabalha enquanto seus amigos bebem. Garçom e tiozinho do bar... uma coisa leva a outra não? Modéstia a parte minha caipirinha é boa mas as bebidas doces só saem com medidor, nunca fui fan de coquetéis que não dão uma certa alegria de viver... traduzindo não deixam ninguém bêbado.

Já fiz letreiros e placas para lojas e escola... nesse eu fui aprendiz com uma pessoa que me ensinou muito, éramos Daniel-san e sr. Miyagi. Já fui ajudante de cabelereira... esse durou dois dias, eu não levava jeito para a coisa, sério! Não estou tentando afirmar minha masculinidade mas não tive a delicadeza necessária para exercer a profissão, sendo mais específico uma vez lotei a mão de gel e quando fui passar ficou tudo só na metade da cabeça de um cliente... e para espalhar aquilo? Em outro apertei muito forte o xampú e caiu tudinho bem no meio da testa do cliente, caiu igual... ... coisas que caem. Já pintei casa, atendi em loja e fui estagiário.

Isso tudo para dizer que hoje trabalho na construção civil, com demolição... eu demolo! (isso está certo mesmo?) Tudo o que aparece na minha frente eu destruo, claro que da maneira correta e com segurança mas hoje eu quebro, corto, carrego, serro, arranco, bato, tiro, martelo, chuto e bato! Posso usar o pé de cabra, todas as ferramentas pequenas, britadeira de mão, serras circulares da pequena e da que pesa quase 4 quilos mas a minha preferida é a serra elétrica por causa do Texas Chainsaw Massacre (1974). É um dos melhores empregos que já tive, trabalho todo dia de preto desde as calças largas de genbá até o pano amarrado na cabeça, não sou bom ainda mas gosto do que faço.

Trabalho só com uma família de japoneses, não é uma empresa grande ou colocando melhor a empresa é o pai a mãe o filho e eu. São pessoas boas e que tem o meu respeito.
Desde que entrei lá eles me compraram roupas, me deram carne, me levaram em um restaurante e me dão uma cerveja todos os dias em que trabalhamos na casa deles.
O pai é quarto dan de Kendô e o filho que trabalha comigo é terceiro dan e eu... sou só o pó... Tento todos os dias fazer melhor do que fiz o dia anterior, todos os dias eu quero ser melhor no que eu faço e acho que ainda falta muito pelo o que eles fazem por mim.

"Mainichi, mainichi zutto oboeteru..." (Sachô-san).

24 de janeiro de 2011

Errata


Agora eu estava relendo o blog e vi um erro. Errei nove anos... é 2001 uma odisséia no espaço, o 2010 do Kubrick não consigo agora me lembrar o nome inteiro. Eu até poderia pesquisar mas... sabe aquele dia que você quer deixar o cerébro no descanso de tela...? Então...

6 de janeiro de 2011

2010 - Uma Odisséia no...


Tá bom... meu ano não foi lá uma odisséia... foi para ter um título mais impactante fazendo referência ao filme do Kubrick (2010, 1984) mas quem sabe talvez não tenha sido o começo de uma para mim...

Pessoalmente meu ano não foi bom, o normal, problemas que cada um de nós quase sete bilhões de pessoas carregamos e tentamos dar um jeito de conviver.
Relacionamentos, família, trabalho, objetivos, dinheiro... Nunca risquei nenhum dessa lista, alguns eu não posso, às vezes não queria, talvez não seja tão necessário ou são, não me fazem bem, me fazem bem! 2010 passei metade em um continente metade em outro, deixei pessoas que não quero ver nunca mais deixei pessoas que todos os dias me lembro e gostaria que estivessem por perto.

Aprendi bastante, vi bastante, errei mais, acertei um pouquinho mais, meu ano passou como um pipa caindo no céu de São Paulo, devagar vendo de longe sem rumo e onde o vento levar, com a rabiola inútil na correria olhando para cima tentado ver onde ele vai cair. Vim parar em uma pequena grande ilha na Ásia complicada e diferente, é onde espero que recomece uma nova estória.
Espero não, vou fazer acontecer! Temos que começar o ano otimista não?

Promessas de começo de ano novo enchem meu pequeno apartamento, arrependimentos tenho um pouco menos menos, sonhos eu tenho tantos quanto as milhas que voei, lembranças boas enchem todos os bolsos da minha jaqueta. Levanto a cabeça, coloco o fone de ouvido e as mãos no bolso para andar.
Não posso esquecer de desejar um feliz ano novo para quem esteve comigo em 2010, longe perto, fisicamente ou não, é o que dou mais valor na minha vida e realmente espero que 2011 seja, sem formalidades, um ano do caralio para vocês.

Feliz Ano Novo! Akemashite Omedeto!

 

.

.

.